sábado, 22 de março de 2008

UNS VERSOS PARA OS AMIGOS


Também tinha idade de escola
Quando me alistei na Armada
Sonhava disparar uma pistola
Ou fazer deflagrar uma granada

Se eu voltasse a ser jovem
Ia para Fuzileiro voluntário
Pelas razões que me movem
Companheiros de itinerário

Somos uma família de verdade
Sempre prontos a dizer presente
Filhos da Escola são irmandade
Porque a amizade é consistente

Os Fuzileiros têm uma história
Que faz inveja a muita gente
Ficou marcada na memória
Pelo orgulho que se sente

Era antes do sol nascer
Que desembarcávamos na luta
Tiros e palavrões iam aparecer
E a morte dizia, filhos da puta

Os fuzileiros foram sempre
Um grupo muito coeso
Fosse avante ou a ré
Cada qual o mais teso
Remando contra a maré

Foi nos rios da Guiné
De Angola e Moçambique
Que se mostrou como é
No tarrafo ou na bolanha
Sem utilizarmos a manha
Mesmo morrendo de pé

A guerra só é defendida
Por quem a não vai fazer
Porque não herda a sua ferida
E só lucro lhe vai trazer
Julgam-se para toda a vida
Mas também terão de morrer

NÃO ESQUECER NA ÉPOCA DOCE
MUITAS AGRURAS DE OUTRORA
É PORQUE ALGO APOQUENTA
QUE NÃO CONSIGO PÔR FORA
PORQUE A GUERRA É NOJENTA

UM DOCE ABRAÇO DESTE AMIGO

1 comentário:

Vítor Costeira, 75577 disse...

Estas são palavras de quem sabe bem o que diz e só não entenderá quem o não quiser fazer!
Um abraço!!!